Ambientes decorados com propósito e funcionalidade.

Os ambientes interferem na nossa vida, mais do que imaginamos.

Esta pandemia não deixa dúvidas. Precisamos morar em lugares em que possamos ser felizes e funcionais.
Infelizmente para muitos, neste momento do COVID-19, o lar não está sendo um espaço confortável e de convivência prazerosa.

Ele tem sido mais um lugar que simboliza aprisionamento e impedimento. Estamos observando uma ruptura em emoções positivas.
E uma grande pena, pois não precisaria ser assim.
Podemos mudar isso se planejarmos em espaços mais bem elaborados e saudáveis, e com um custo benefício satisfatório.

Para muitos, morar bem hoje, pode significar ter uma casa grande, móveis de design caros, ou ter uma obra de arte valendo milhões na parede.
Sem dúvida estes objetos podem fazer parte do contexto de vida de alguns, porém eles não necessariamente proporcionam ambientes perfeitos, principalmente no contexto em que vivemos. .

Desde que entramos na crise da corona vírus, morar de forma humanizada não é mais uma opção, mas uma necessidade.
Os nossos lares, os nossos espaços precisam ser a extensão do nosso ser biológico e garantir o bem estar.

Morar em espaços criados com consciência e planejamento é um direito fundamental das pessoas de obter proteção e proporcionar opções de bem estar aos familiares.

Precisamos nos conectar emocionalmente com as nossas casas e familiares nas mais diversas ações como:
Cozinhas, dormir, comer, assistir a um filme, brincar etc…
Uma das coisas que podemos aplicar de cara, nos nossos lares, imediatamente é a biofilia, nos ambientes, os princípios da arquitetura biológica ( ambiente, forma, matéria e seres humanos).

O ponto é; Precisamos criar nossos espaços com funcionalidade e mais eficiência para que possamos viver melhor e com mais propósito de forma mais humanizada.
Durante a nossa trajetória de vida, precisamos nos questionar sobre as nossas reais necessidades.

Ou seja, vamos pensar nos nossos lares como um lugar que possa transmitir felicidade e humanizar as nossas relações.

Gislene De Paula.
@depaulaprojeto

Deixe um comentário